Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Quer emagrecer em 2018? O IFMS pode te ajudar!

Saúde e Nutrição

Quer emagrecer em 2018? O IFMS pode te ajudar!

Balanças de bioimpedância foram distribuídas a todas as unidades para contribuir com o acompanhamento da saúde do servidor.
por Laura Silveira publicado: 03/04/2018 09h02 última modificação: 03/04/2018 09h02

Celebrado em 31 de março, o Dia da Saúde e Nutrição não passou em branco no IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul). Em alusão à data, servidores e funcionários da reitoria tiveram a oportunidade de assistir a uma palestra, no dia 29, que reuniu informações sobre as complicações da obesidade, dicas de alimentação e o Programa Peso Saudável, desenvolvido desde 2015 na instituição.

Para desenvolver o Programa e contribuir para a saúde dos docentes e técnicos-administrativos, o IFMS adquiriu 11 balanças de bioimpedância, que já se encontram nas unidades da instituição.

O exame feito no equipamento quantifica o percentual de gordura do corpo, gordura visceral e massa magra, além da Taxa de Metabolismo Basal (TMB) – quantidade de energia necessária à manutenção das funções vitais do organismo –, idade corporal e Índice de Massa Corporal (IMC). 

Na reitoria, a balança é utilizada desde novembro do ano passado. Mensalmente, qualquer servidor ou funcionário terceirizado pode participar do Programa Peso Saudável preenchendo o formulário enviado por e-mail. O agendamento dos horários é para melhor organizar a ação.

Dados do Programa executado na reitoria foram repassados durante a palestra, organizada pelo Núcleo de Atenção à Saúde do Servidor, com o apoio da Comissão de Qualidade de Vida. 

O número de participantes aumentou consideravelmente no último ano. Saltou de 20, em fevereiro de 2017, para 50, em março deste ano. Já o número de servidores com pelo menos uma participação no Peso Saudável chega a 85, num total de 179 que a reitoria possui atualmente.

Metade dos servidores que participaram do Programa na reitoria está com sobrepeso/obesidade, o que acompanha a média da população brasileira. O dado relativo à porcentagem de gordura corporal é ainda mais preocupante: 64,5% dos participantes estão com o índice alto ou muito alto.

“Enquanto profissional da saúde, acredito que o ideal é empoderar as pessoas com o conhecimento. É preciso que elas entendem o mecanismo que acarreta as doenças, para que possam tomar consciência e mudar seus hábitos. Só assim a promoção à saúde funciona”, ressaltou Suellen.

“A expectativa é que a gente consiga que todos os servidores e terceirizados passem pela menos uma vez pela bioimpedância e, com isso, comecem a ter consciência do seu estado de composição corporal”, destacou a enfermeira da reitoria Suellen Paniago.

Nos campi, as ações são realizadas conforme definição interna de cada unidade.

Obesidade e complicações  Apalestra contou com outros dois momentos. No primeiro, a enfermeira Suellen abordou a obesidade e duas de suas complicações à saúde: diabetes tipo 2 e hipertensão arterial, ambas relacionadas à resistência à insulina criada pela obesidade.

“Enquanto profissional da saúde, acredito que o ideal é empoderar as pessoas com o conhecimento. É preciso que elas entendem o mecanismo que acarreta as doenças, para que possam tomar consciência e mudar seus hábitos. Só assim a promoção à saúde funciona”, ressaltou Suellen.

Confira informações sobre as doenças: 

Diabetes Mellitus Tipo 2: ocorre geralmente em pessoas obesas com mais de 40 anos de idade, embora, na atualidade, se vê com maior frequência em jovens, devido a maus hábitos alimentares, sedentarismo e estresse. Neste tipo de diabetes encontra-se a presença de insulina no corpo, porém sua ação é dificultada pelo excesso de gordura, o que é conhecido como resistência insulínica, uma das causas de hiperglicemia. Por não apresentar muitos sintomas, na maioria das vezes permanece por muitos anos sem diagnóstico e sem tratamento, o que favorece a ocorrência de suas complicações no coração e no cérebro. Os testes para diagnóstico incluem exames de sangue, como o de glicemia em jejum, glicemia pós-prandial de duas horas, glicemia ao acaso, hemoglobina glicada, teste de tolerância à glicose ou curva glicêmica.

Hipertensão arterial: usualmente chamada de pressão alta. É ter a pressão arterial, sistematicamente, igual ou maior que 14 por 9. É comum que pessoas com pressão arterial ideal apresentem valores elevados diante de situações de ansiedade, dores na cabeça e em outras partes do corpo, e em dias frios. O exame de monitorização ambulatorial da pressão arterial, conhecido como Mapa, que irá confirmar se a alta da pressão ocorreu mesmo devido a essas situações de tensão ou se foi um sinal de que a hipertensão está instalada no organismo.

A obesidade se relaciona com a hipertensão por aumentar os níveis de insulina no sangue (resistência à insulina) e a retenção de sódio pelos rins.

Quanto à diabetes, estima-se que 366 milhões de pessoas no mundo são portadoras de diabetes tipo 2, podendo chegar a 552 milhões de diabéticos em 2030. Cerca de 55% dos casos são atribuídos à obesidade. No Brasil, 75% da população com diabetes tipo 2 não está no peso ideal, sendo 42,1% com sobrepeso e 32,9% com obesidade. Os dados são do trabalho "Prevalência de sobrepeso e obesidade em pacientes com diabetes mellitus do tipo 2 no Brasil: estudo multicêntrico nacional", de Marilia de Brito Gomes.

Daí a importância de se combater à obesidade e buscar uma vida mais saudável. O primeiro passo é mudar os hábitos alimentares.

Alimentação  Esse foi o tema do segundo momento da palestra. A nutricionista da reitoria, Gabriela Assis, tratou sobre os alimentos aliados à perda de peso e gordura.

“O emagrecimento saudável se sustenta em três pilares: mente, corpo e alimentação. Uma alimentação equilibrada, atividades físicas regulares e uma mente sadia, além da decisão da mudança de hábitos, compreendem os principais passos", explicou a nutricionista Gabriela Assis.

“O emagrecimento saudável se sustenta em três pilares: mente, corpo e alimentação. Uma alimentação equilibrada, atividades físicas regulares e uma mente sadia, além da decisão da mudança de hábitos, compreendem os principais passos. Em alguns casos, há necessidade de intervenção cirúrgica ou medicamentosa”, explicou a nutricionista.

Todos os alimentos gastam energia para serem digeridos, mas os conhecidos como termogênicos apresentam maior nível de dificuldade em ser digeridos pelo organismo, fazendo com que este consuma maior quantidade de energia e calorias para realizar a digestão. Em outras palavras, os termogênicos podem ajudar no processo de perda de peso.

Confira alguns alimentos termogênicos e seus benefícios apontados pela nutricionista:

  • Pimenta vermelha: rica em capsaicina, substância que favorece o aumento da quebra de gorduras no tecido adiposo, além disso, melhora o humor. Estimula a salivação, a secreção gástrica e a motilidade gastrointestinal. Quantidade recomendada: 3g por dia.
  • Chá verde (Camellia sinensis): rico em polifenóis, flavonoides e catequinas. Estimula a utilização da gordura corporal como fonte de energia. Estimula metabolismo lipídico no fígado e no músculo esquelético. Diminui a compulsão alimentar, inibe a absorção de carboidratos. Quantidade recomendada: de 4 a 6 xícaras (200ml) por dia.
  • Gengibre: possui atuação bactericida e anti-inflamatória, diminui enjoos, náuseas, indigestão e gases. Usado para amenizar infecções respiratórias. Elementos contidos nesta raiz tornam a digestão mais difícil, assim o corpo é forçado a acelerar o metabolismo, aumentando a queima calórica e perda de peso. Quantidade recomendada: 3 a 4g por dia (in natura) ou duas colheres de chá. Não é indicado para gestantes, lactantes e hipertensos.
  • Canela: auxilia no controle da diabetes, pelo seu efeito sobre os níveis de açúcar no sangue; reduz o colesterol ruim e taxas de triglicérides; auxilia o desempenho do sistema imunológico; e tem ação antioxidante. Quantidade recomendada: 6g por dia ou uma colher de chá. Contraindicada em casos de gravidez.
  • Café: é antioxidante, ajuda na eliminação de radicais livres.É estimulante devido à ação da cafeína. Aumenta a concentração. A cafeína diminui a fadiga, melhora o condicionamento físico e amplia a força dos músculos. Quantidade recomendada: 200ml por dia.
  • Óleo de coco extra virgem: melhora o sistema de defesa do organismo, facilita o trânsito intestinal, auxilia na eliminação de toxinas ou radicais livres do corpo. Promove a saciedade. O ácido láurico acelera o metabolismo, promovendo maior queima de calorias, evitando armazenamento de gordura. Quantidade recomendada: ½ a 1 colher de sopa por dia. 

Importante: Os alimentos termogênicos devem ser consumidos com o acompanhamento de profissionais em saúde e nutrição. O excesso pode levar ao surgimento de sintomas como dor de cabeça, tontura, insônia e problemas gastrointestinais. 

Hipertensos e indivíduos com problemas cardíacos devem ter cuidados aumentados, pois alguns desses alimentos fazem o coração trabalhar mais rápido.

Os termogênicos não são indicados para indivíduos com hipertireoidismo nem devem ser consumidos no período noturno, para não prejudicar o sono.

Outros alimentos – Além dos termogênicos, a nutricionista indica outros alimentos aliados à perda de peso, entre eles:

  • Chá de hibisco: facilitador do processo digestivo e evita a retenção de líquidos no organismo. Antioxidante e anti-inflamatório, melhora sistema imunológico. Quantidade recomendada: de 2 a 3 xícaras até 1 litro ao longo do dia.
  • Frutas vermelhas e roxas: Antioxidantes. Têm poucas calorias. Diminuem o açúcar no sangue e o colesterol ruim. Ajudam o funcionamento do intestino, pois são ricas em fibras.
  • Verduras e legumes variados: Couve, brócolis, espinafre, acelga, alface, agrião, aspargos, cenoura, beterraba e rabanete são alguns exemplos de vegetais que ajudam a perder peso. Têm poucas calorias, pouca gordura e alto teor de fibras, que tornam a digestão mais lenta e prolongam a sensação de saciedade.
  • Alho: ajuda a reduzir o colesterol, melhora gripes e resfriados, é antioxidante. Suprime o apetite e estimula a liberação do hormônio adrenalina que contribui com a aceleração metabólica.
  • Ômega 3 - Ácido Linolênico: a gordura presente em sementes oleaginosas e peixes de água salgada, como sardinha, salmão, arenque. Ajuda a manter estável o nível de açúcar no sangue e a acelerar a queima de gorduras, traz sensação de saciedade. Quantidade recomendada: 2 a 4 gramas por dia.

Esses são só alguns dos alimentos indicados para aqueles que desejam emagrecer. Gabriela lembra que a pessoa deve sempre procurar um profissional especializado.

“O plano alimentar deve ser individualizado. Na nutrição, nós trabalhamos com erro e acerto. O que funciona para a maioria das pessoas pode não funcionar para alguém em específico, daí a importância do acompanhamento de um profissional para que dietas muito restritivas não acarretem danos à saúde”, finalizou a nutricionista.

Dicas – E aí, animou para mudar de hábitos e ter uma vida mais saudável? Finalizamos esse texto com algumas dicas para acelerar seu metabolismo. Confira:

  1. Beba água. No mínimo, dois litros por dia;
  2. Não fique sem comer por mais de 4 horas seguidas;
  3. Pratique atividades físicas com regularidade;
  4. Inclua na dieta alimentos termogênicos.